Legalmente Negra

Just another WordPress.com site

Sem tratamento, a cadela Belinha quase foi a óbito por conta de uma infecção grave de útero (Histórias do Publicão)

 

No início de julho, a aposentada Rosires Gomes, percebeu que sua cachorrinha Belinha, de 5 anos, não se sentia bem. “Ela ficou esquisita e sem comer. Fiquei preocupada, mas não tinha condições de levá-la a um veterinário. A consulta é mais ou menos 50 reais”, contou.

Passados 10 dias sem melhora, Dona Rosires, finalmente conseguiu ajuda para uma consulta veterinária. “Fiquei feliz, porque ela já estava muito debilitada, mas quando cheguei lá foi uma decepção: Apesar de ter conseguido a consulta, o veterinário me pediu um monte de exames que eu não podia pagar e mais R$ 800,00, caso fosse necessária uma cirurgia”, lamentou a aposentada.

Dona Rosires voltou para casa, sem realizar os exames e também sem esperanças. “Achei que ela fosse morrer, porque ela só estava piorando. Ela não queria comer e a barriga estava inchando. Até que uma pessoa me falou sobre o hospital público e na hora eu decidi levá-la”, contou.

Belinha foi examinada pela equipe do Serviço Veterinário da Anclivepa-SP e o diagnostico foi Piometra. “É uma espécie de infecção de útero muito grave. Pode ser prevenida com a castração e acontece em cadelas de meia idade. O útero se enche de pus e caso não seja realizada uma cirurgia, pode acontecer uma infecção generalizada que pode levar o animal à morte”, explicou a veterinária Fabiana Augusto.

A veterinária explicou que Belinha chegou ao hospital em uma situação muito crítica, a cirurgia já era um caso de urgência. Após a cirurgia, Belinha ficou internada por 7 dias. “Ficou longe de casa e eu desesperada, porque ela é uma filha para mim. Mas foi por uma ótima causa. Eu nunca achei que conseguiria. E eu agradeço muito à atenção desses veterinários e por ter um serviço gratuito que fez com que eu não perdesse a minha filhinha. Conhecemos quem gosta de animais pelo atendimento”, finalizou Dona Rosires ao se despedir do hospital com Belinha, já recuperada, em braços.

O Primeiro Hospital Público do Brasil, apelidado de Publicão, nasceu de uma emenda do vereador Roberto Tripoli (PV), que também participou de projetos como a fiscalização e o combate ao comércio ilegal de cães e gatos, da implantação Merenda Vegetariana em Escolas Públicas e outros projetos voltados para a Proteção Animal.  A novidade surgiu como utopia para os céticos, mas em julho deste ano, o projeto foi posto em prática pela Prefeitura de São Paulo.

A unidade, que é administrada pela Anclivepa (Associação de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais de São Paulo), fica na Rua Professor Carlos Zagotis, 3, bairro do Tatuapé, Zona Leste de São Paulo e funciona de segunda a sábado das 7h às 19h. De acordo com a diretoria, os atendimentos são preferenciais à população de baixa renda, sendo assim, os atendidos passam pela triagem de uma assistente social. Para mais informação, ligue 11 2667-7795 / 11 2667-7804 / 11 2667-7789 / 11 2667-7793.

Elaine Paiva

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s