Legalmente Negra

Just another WordPress.com site

08/09/2008 – Subprefeito da Mooca, Eduardo Odloak fala sobre pedido de afastamento – edição 87

 
Por Elaine PaivaNo mês de agosto, a Associação de Bares e Restaurantes do Tatuapé pediu, através de um abaixo assinado, o afastamento do subprefeito Eduardo Odloak (foto), da subprefeitura da Mooca. De acordo com o presidente da associação, Edmundo Scatena, o pedido de afastamento se deu por conta do escândalo acontecido no mês de julho, no qual 11 funcionários da subprefeitura da Mooca foram presos acusados de integrar uma quadrilha liderada pelos irmãos Georges Marcelo Eivazian e Felipe Eivazian, que utilizavam a subprefeitura para a cobrança de propina de camelôs na cidade de São Paulo. O esquema foi descoberto através de uma investigação da Polícia Federal, no início de julho. Em entrevista ao Jornal Fato Paulista, o subprefeito da Mooca Eduardo Odloak comentou o assunto.

 

 Fato Paulista– Você tem conhecimento desse abaixo assinado? O que tem a dizer sobre ele?

Eduardo O. – Procurando em sites de busca, no serviço telefônico e mesmo conversando com alguns donos de bares e restaurantes do Tatuapé, não encontramos registros sobre a Associação acima mencionada. Após lacrarmos 25 bares por promoverem transtornos na região, conseguimos melhorias para os moradores, mas aqueles que não cumprem a legislação não gostaram, ficaram insatisfeitos, já esperávamos uma reação adversa. Alguns bares foram duramente multados por promoverem barulho fora de hora e usarem mesas e cadeiras na calçada sem respeitar a lei, nesse caso, buscam retaliar a administração.

Fato Paulista – Uma das alegações da Associação foi a de que o seu afastamento da subprefeitura tornaria mais claras as investigações da Polícia Federal, pois a sua presença poderia inibir as mesmas. O que você acha disso?

Eduardo O – A polícia e o Ministério Público fizeram uma ampla investigação por vários meses e todos os nomes envolvidos foram exonerados imediatamente e agora respondem criminalmente. Aumentamos o poder de polícia da Guarda Civil Metropolitana para ampliar a fiscalização, trouxemos dois coronéis da PM para aumentar o rigor das ações e abrimos sindicância interna. Acho que o interesse daqueles que desejam a minha saída é o de fazer com que as coisas voltem a ser como era antigamente, com a fiscalização mais branda. Querem que os bares, mesmo sem tratamento acústico, fiquem abertos durante a madrugada toda, sem se preocupar com as pessoas que moram próximas e que nãoconseguem dormir.

 

Fato Paulista– Outra afirmação feita pelo presidente da Associação foi a de que seria mais ético se o afastamento partisse de você mesmo? Você se sente pressionado, ou está tranqüilo com relação a isso?

Eduardo O – O cargo não é meu, mas enquanto estiver na função, vou buscar cumprir alegislação com o mesmo rigor de sempre, e isso eles não querem. Os camelôs ilegais também pedem a minha saída, pois querem voltar a controlar as ruas como faziam antes. Mas é visível que avançamos muito na fiscalização e a região melhorou.  

http://www.fatopaulista.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=636&Itemid=34

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s